E quando tudo começou...

domingo, 12 de abril de 2009

Alma Lavada


ALMA LAVADA


Sigo meu caminho
Com a certeza
De que meu dever
Foi cumprido
Não deixei um amigo
para trás.
Não fui desonesta
Meu corpo limpo
Tão quanto minha alma
Justa, implacável
Cumpridora da palavra
Pois, um ser sem palavra
É um ser desprezível
Arrogante e infiel
Que jamais merece meus respeitos
Nem minha cordialidade
Tampouco minha admiração!
Eu mulher, em defesa dos meus direitos
Só serei "sexo frágil" o dia que deixar de lutar!
Não existe guerra sem amor a algo!
E sem luta...
Não há vitória!

Malu Freitas


2 comentários:

Licínia Ramizete disse...

Lindo...lindo!!! Traduz fielmente a sua bela forma de ser.
Expressa muito do que sentimos e não sabemos como dizer.
Parabéns, Vampira de alma poética!
Bjs

WANCISCO FRANCO disse...

Malu,
Vi seu desabafo no over; e passei pra conhecer um pouco.
Se lá, lavaste a alma,
cá, me encantaste.
Qdo der, eu volto - beijo!