E quando tudo começou...

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Sedenta pela Mordida


Sedenta pela Mordida

Pela mordida que darei e para ser mordida

Pelo vampiro que escolhi
Ele tem um olhar penetrante
Que tenta fugir aos meus

Uma abordagem sutil
Uma forma de agir e se comportar fria
Observa o belo num jeito tímido e sarcástico
Estou sentindo seu cheiro a distância
Seu cheiro animal e voraz
Pertencemos ao mesmo clã.

Ao clã dos que curtem novidades
Dos que nunca se habituam com a rotina
Seu jeito morbidamente calado me deixa furiosa
E ao mesmo tempo curiosa em afiar
Meus molares para mordê-lo para sempre

EU SEMPRE O QUIS
EU O QUERO
EU VOU TÊ-LO


Sei que ele sente a mesma curiosidade
Eu sinto o cheiro do seu sangue mesmo frio
Sinto os lábios molharem
E o quanto ele tenta chegar perto
Algo o impede de ser o que ele quer ser
Mais eu cheguei antes nessa conquista
E terei ele antes que ele me tenha
Quem é ele?
Só interessa a Ele
Ele saberá, pois tenho certeza que já sentiu minha presença

Por perto como uma "vampira sedenta" rondando sua mente.
E por mais mórbido que pareça
Tenho certeza que ele irá gostar
Da minha visita ao seu pescoço.


MALU FREITAS


2 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom teus poemas, esse então maravilhoso.
Beijocas

Irineia Lima- Cabo Verde

Anônimo disse...

Malu teus poemas são mesmo de mais!!!!

Te amooo

\o